No hate. No violence
Races? Only one Human race
United We Stand, Divided We Fall
Radio Islam
Know Your enemy!
No time to waste. Act now!
Tomorrow it will be too late

English

Franç.

Deutsch

Arabic

Sven.

Español

Portug.

Italian

Russ.

Bulg.

Croat.

Czech

Dansk

Finn.

Magyar

Neder.

Norsk

Polski

Rom.

Serb.

Slov.

Indon.

Türk.

汉语

2.

O Revisionismo afirma:

Não há provas que o Holocausto, tal como é apresentado pelo Grupo de Pressão de Promoção do Holocausto e pela altamente politizada indústria de Hollywood, tenha ocorrido.

 

Os Revisionistas não afirmam que os Judeus não sofreram. Não contestam o facto de que os Judeus eram, realmente, indesejados na Alemanha, e que era política do estado removê-los como sendo um "povo parasita" maléfico para o país.

É absolutamente verdade que os Judeus foram encarcerados e frequentemente tratados com crueldade. Eram vistos como o inimigo, tal como nos nossos tempos os "Nazis" são vistos como o inimigo das oligarquias entrincheiradas.

Os Revisionistas afirmam e argumentam que não havia política de estado que apelasse para o "extermínio em massa dos Judeus" ou qualquer outra minoria indesejada. Os Aliados interrogaram independente e separadamente 26.000 funcionários do regime Nacional Socialista imediatamente após a derrota da Alemanha, utilizando sempre o mesmo conjunto de perguntas. Algumas pessoas podem ter pensado mentir para benefício próprio implicando outros.

Nem sequer um oficial Alemão reportou ter conhecimento de tal programa. Todos disseram que a primeira vez que ouviram falar dele foi aos Aliados após a guerra.

Isto leva realmente ao monte de esterco de onde a história de extermínios em massa veio - que é a "confissão" de Rudolf Hoess.

A Confissão de Rudolf Hoess é um documento incrivelmente "incriminatório." Todo o mal entronca nele. Eis a história de fundo.

Rudolf Hoess, o ex-comandante de guerra de Auschwitz "confessou" as coisas mais incríveis durante o Julgamento de Nuremberga neste "documento" largamente usado e muito citado. Um bom resumo de um ponto de vista com interesse humano da maneira como tal foi conseguido é dado no Zundelsite no editorial internet: "Nuremberg: The Crime that Will Not Die" É um resumo que vale a pena ler.

Muitos Alemães, em Nuremberga e noutros lugares onde tiveram que enfrentar julgamento por "crimes de guerra," "confessaram" ter cometido brutalidades sob "coacção" ou instigação. Documentos, testemunhos e confissões bem como declarações apresentados em Nuremberga e noutros lugares foram frequentemente produzidos e assinados após tortura física e psicológica dos seus autores.

Para prova de tortura de Alemães capturados pelos Aliados, leia Legiões da Morte, um livro de Rupert Butler, um escritor Inglês, que dá uma descrição vivida da maneira como o Comandante de Campo de Concentração em tempo de guerra, Rudolf Hoess, foi espancado sem misericórdia e drogado com alcool durante vários dias antes de ter assinado a sua famosa "confissão" admitindo que dois milhões e meio de pessoas foram gaseadas em câmaras de gás em Auschwitz.

Basta dizer que esta assim chamada "confissão" estava escrita em Inglês, e que Hoess não falava nem sequer entendia Inglês. (Butler, Rupert, Legions of Death, Hamlyn Paperbacks, Great Britain, 1983, pag. 10-12)

Julius Streicher, para nomear outro oficial Alemão que foi selvaticamente torturado por interrogadores Americanos para extrair uma "confissão," reportou que foi espancado de tal maneira que perdeu 40% da audição. Foi mantido nu numa cela não aquecida e foi obrigado a beber da latrina. Os guardas forçaram-no a abrir os dentes com um pau de modo a cuspir-lhe na boca. ("Streicher Opens His Case,", London Times, April 27. 1946)

Esta informação foi mais tarde expurgada das transcrições do Julgamento de Nuremberga, com o consentimento do presidente do Tribunal e até do advogado de "defesa."

Ainda outra fonte é a Comissão de Inquérito Simpson van Rhoden acerca da conduta dos inquisidores dos EUA durante os julgamentos de Malmedy-Dachau. Esta comissão reportou maus tratos e torturas, inclusive julgamentos falsos, a administração de confissões falsas por "padres" igualmente falsos, espancamentos, utilização de vendas etc. para obter confissões forçadas dos prisioneiros. (The Progressive, escrito pelo Juiz Edward L. Van Rhoden em Fevereiro de 1949 intitulado American Atrocities in Germany (Atrocidades Americanas na Alemanha)).

Eis um exemplo de como essas "confissões" eram rotineiramente obtidas"

"Os investigadores Americanos no Tribunal dos EUA em Dachau, Alemanha, usaram os seguintes métodos para obter confissões:

Espancamentos e ponteamentos brutais. Dentes e maxilares partidos. Julgamentos falsos. Prisão solitária. Padres falsos. Rações muito limitadas. Privação espiritual. Promessas de absolvição (se a vítima implicasse outros prisioneiros para corroborar os cenários dos julgamentos Aliados) . . . Todos os Alemães, excepto dois, dos 139 casos investigados, foram pontapeados nos testículos de maneira irrecuperável." (Morreram Mesmo Seis Milhões? Relatório das provas no Julgamento de Ernst Zündel no Canadá em 1988 por "Notícias Falsas", editado por Barbara Kulaszka, pag. 44-45)

O Chefe de Justiça dos EUA Harlan Fiske Stone, referindo-se ao Julgamento de Nuremberga e falando do Chefe de Acusação Americano, Jackson, tinha isto para dizer, tal como foi citado numa capa da Viking Press, "Harlan Fiske Stone: Pilar da Lei:"

"Jackson está fora conduzindo a sua grande festa de linchamentos em Nuremberga," ele observou. "Eu não me importo com o que ele faz aos Nazis, mas odeio ver a pretensão de que ele está a conduzir um tribunal e a proceder de acordo com a lei comum.

Isto é uma fraude demasiado hipócrita para as minhas ideias fora de moda." (Mason Thomas, Harlan Fiske Stone: Pillar of the Law, Alpheus The Viking Press, página 746)

Uma acusação não constitui um facto. As parangonas não constituem um facto. Um prisioneiro torturado fazendo uma "confissão" não faz com que as suas palavras constituam um facto.

Eis outro bom exemplo de um crime "bem documentado:"

Os Alemães foram acusados em Nuremberga de ter morto 15,000 oficiais Polacos e membros da elite Polaca em Katyn. Sete oficiais e soldados Alemães foram executados pelos Soviéticos após um julgamento no qual mais de 4,000 (!) declarações sob juramento e dúzias de "especialistas" e "testemunhas" foram oferecidos pelos acusadores Estalinistas.

Em 1989, o dirigente Soviético Gorbachev admitiu publicamente que o regime de Stalin era responsável por estes assassínios em massa de Polacos. Não os Alemães. O aliado da América - Joseph Stalin - ordenou as mortes!

Portanto se o Juiz Thomas T. Johnson do Tribunal Superior da Califórnia, e o Juiz Thomas do Tribunal do Distrito de Toronto tomaram presunçosas "Notificações Judiciais" do Holocausto, basearam-se em documentação "imediatamente disponível" obtida través de tortura e coerção às vítimas dos mestres de tortura Aliados.

Que espécie de "provas documentadas" são estas? Não deveriam ser permitidas em nenhum Tribunal dos EUA ou do Canadá.

Em Nuremberga e em muitos julgamentos subsequentes contra os chamados "crimes de guerra dos Nazis" estes métodos eram rotineiramente aceites e "aceitáveis" como uma questão de política e "de regras."



 




Introdução

O Revisionismo afirma:

 
Part I

O Holocausto é uma útil propaganda pós-guerra que começou como uma campanha insidiosa e sistemática durante a Segunda Guerra Mundial como uma das tácticas empregadas pelos interesses endinheirados para motivar as tropas e envolver o mundo, especialmente a América, no que acabou por ser, essencialmente, uma guerra fraticida.


Part II

Não há provas que o Holocausto, tal como é apresentado pelo Grupo de Pressão de Promoção do Holocausto e pela altamente politizada indústria de Hollywood, tenha ocorrido.


Part III

Os números das vítimas do "Holocausto" são irresponsavelmente exagerados.


Part IV

A política oficial do Terceiro Reich em relação aos Judeus era emigração, não exterminação.


Part V

Não foi encontrado um único documento com a assinatura de Hitler ordenando a exterminação dos Judeus.


Part VI

"O Zyklon B era um fumigante. Não era um agente prático para assassínio em massa."


Part VII

O Zyklon B era altamente tóxico. Assim sendo, teria sido idiota e contraprodutivo pôr em perigo pessoal do Terceiro Reich alegadamente ocupado em retirar corpos das câmaras de execução pouco depois de terem sido "gaseados."


Part VIII

O especialista em execuções Americano, Fred Leuchter, apresentou uma decisiva prova científica ao provar que as assim chamadas câmaras de gás em Auschwitz não poderiam ter sido usadas para o propósito alegado.



"Israel como um Estado judeu constitui um perigo não apenas a si mesma e a seus habitantes, mas a todos os judeus, e a todos os povos e Estados do Oriente Médio e além."

- Prof. Israel Shahak, judeu e fundador da Liga Israelense de Direitos Humanos


Palestine banner
Viva Palestina!

Latest Additions - em Português

A Entrevista do General Remer
Um dos mais famosos comandantes militares da II Guerra Mundial

Quem controla o Brasil - sionismo na presidência

A conspiração Sionista - para dividir os estados Árabes em pequenas unidades

Fotos   

Herman Rosenblat, um – verdadeiro – cara de pau!    


Iraq under Jewish occupation
Iraq - guerra e ocupação


Rabino defende genocídio do povo palestino

A vez do Irã

Um Complô contra a Radio Islam

Massacre em Gaza - A bestialidade judeo-israelita
Por Alfredo Braga

O que é o Revisionismo?
 

"Se eu fosse um líder árabe nunca assinaria um acordo com Israel. É normal; nós tomamos o país deles."

- David Ben-Gurion, Primeiro-Ministro de Israel


Citações - sionismo

Os Judeus Khazares
Por Dr. Alfred M. Lilienthal


Rabino defende Holocausto Iraniano
“devemos orar pela destruição do Irã”

O poder oculto - De onde nasce a impunidade de Israel
Por Manuel Freytas

Down with Zio-Apartheid
StopJewish Apartheid!

Sobre a influência sionista no Brasil: Judeus no Brasil

As vitórias do revisionismo
Por Professore Robert Faurisson

The Jewish hand behind Internet The Jews behind Google, Facebook, Wikipedia, Yahoo!, MySpace, eBay...

Islamofobia = Propaganda Sionista

Um olhar para o poderoso Lobby judeo - Por Mark Weber

The Founding Myths of Modern Israel
Garaudy: "Os Mitos fundadores"


A Lavagem de Dinheiro das Drogas Pelos Judeus
Maior jornal Israelense Ma'ariv revela!

No assunto do rancor judaico à Cristandade - Por Israel Shahak

Racismo Judaico contra Não-Judeus conforme expresso no Talmud

Reel Bad Arabs - Revealing the racist Jewish Hollywood propaganda

Sobre "O Relatório Leuchter"

The Founding Myths of Modern Israel
Shahak: "Storia ebraica"

O Holocausto negro 
“O comércio de escravos estava nas mãos de judeus”

Protocolos dos Sábios de Sião

Videos - Importante coleção
 

Talmud unmasked
A Verdade Sobre o Talmud

O Talmud Desmascarado

Caricaturas 

Ativismo! - Participa na luta!