No hate. No violence
Races? Only one Human race
United We Stand, Divided We Fall
Radio Islam
Know Your enemy!
No time to waste. Act now!
Tomorrow it will be too late

English

Franç.

Deutsch

Arabic

Sven.

Español

Portug.

Italian

Russ.

Bulg.

Croat.

Czech

Dansk

Finn.

Magyar

Neder.

Norsk

Polski

Rom.

Serb.

Slov.

Indon.

Türk.

A Extorsão Sionista contra a Suíça



Organizações judaicas afirmam que os bancos suíços estão mantendo contas abertas por judeus ricos na década de 1930 e 1940 e que depois morreram durante a II Guerra Mundial e portanto não foram capazes de retomar seu dinheiro. Os sionistas exigiram que este dinheiro fosse colocado num fundo especial para os chamados “sobreviventes do Holocausto”. Mas informações vieram à luz sobre esta campanha de extorsão sionista, e aqui vão elas.

Em primeiro lugar, vamos clarificar o ponto de que o que estamos falando não é simplesmente um esforço dos judeus para retomar o que de direito pertence a eles. Não é a questãos dos velhos “sobreviventes do Holocausto” David e Sarah Goldblatt em Miami tentando botar as mãos na conta que seu tio Abe criou na Suíça antes que fosse mandado a Auschwitz em 1943 e nunca mais visto novamente. É, na verdade, uma campanha massiva de extorsão criminosa, completada com fraudes, mentiras, ameaças em grande escala e a junção criminosa do governo Clinton com a mídia controlada pelos sionistas.

A resposta inicial dos suíços quanto à exigência sionista de dinheiro era de  que os depositantes judaicos sempre haviam sido tratados como todos os outros depositantes, e que os banqueiros suíços já haviam investigado suas contas dormentes e procurado pelos donos legais, e que havia no máximo alguns milhões de dólares em tais contas que poderiam pertencer aos parentes dos judeus que morreram durante a guerra. Tudo o que David e Sarah Goldblatt tinham que fazer para receber o dinheiro de seu tio Abe era apresentar provas de que ele era de direito deles.

Isto, é claro, não era nem de longe o que os sionistas tinham em mente, então começaram a aplicar pressões e a fazer ameaças. O presidente da Suíça na época, Jean-Pascal Delamuraz, acusou os sionistas de “chantagem” e “extorsão” em tentar fazer com que a Suíça lhes desse dinheiro sem que eles apresentassem qualquer prova de que tinham um pedido legítimo. Mas, infortunadamente, o Sr. Delamuraz estava deixando o cargo no final de 1996, e seu sucessor estava mais propenso a pagar a chantagem para evitar problemas. Apenas para ter certeza de que os suíços pegaram a mensagem os sionistas persuadiram alguns de seus colaboradores cristãos a se juntar á sua campanha. Líderes de igrejas na Suíça organizaram uma demonstração pública em Zürich de 15.000 crentes que exigiram que o governo e os banqueiros suíços desse ao “Povo Escolhido de Deus” o que quer que eles quisessem e que parassem de acusar esses pobres e perseguidos sionistas de chantagem.

Os banqueiros e políticos suíços são um pouco mais cabeças-duras que esses leves e cantantes crentes, entretanto. Argumentos de que o Povo Escolhido de Deus merece qualquer coisa que queira porque a Bíblia o diz tem pouco efeito neles. A verdadeira pressão estava sendo aplicada fora dos olhos do público. A 10 de janeiro, o judeu bilionário, mercador de bebidas alcoólicas, Edgar Bronfman, presidente do Congresso Mundial Judaico, encontrou-se com o embaixador da Suíça nos EUA, e o ameaçou que a não ser que a Suíça liberasse imediatamente US$ 250 milhões, as próximas reuniões do House Banking Committee serão tão embaraçosas quanto o possível para a Suíça.

E outra pressão estava sendo aplicada por baixo do pano. Um grupo de judeus nova-iorquinos, afirmando serem “sobreviventes do Holocausto”, entrou com uma ação de classe contra três dos maiores bancos da Suíça e pediu ao Federal Reserve Bank de Nova York que suspendesse as licenças bancárias destes bancos até a resolução do processo. Se tal petição fosse dada causaria perdas de bilhões de dólares aos bancos.

Israel também entrou na campanha quando a Jewish Agency, centrada em Jerusalem, avisou que iria chamar por um boicote mundial contra os bancos da Suíça se o ex-presidente suíço não pedisse desculpas por chamar a campanha sionista de “extorsão”. O resultado desta ameaça é que a retratação exigida foi feita. E o Departamento de Estado de Clinton estava tão cooperativo com a campanha que lançou uma sére de documentos, um a cada semana, mais ou menos, alegadamente
demonstrando que os suíços tinham boas relações com a Alemanha durante a guerra. A liberação destes documentos a este tempo é claramente uma pressão calculada a embaraçar a Suíça para que se curvasse às demandas sionistas de mais e mais dinheiro.

 Os suíços já liberaram os US$ 250 milhões exigidos por Bronfman, mas os sionistas agora estão indicando que este é apenas o primeiro pagamento. Agora estão sugerindo que US$ 7 bilhões pode ser um total razoável para a Suíça pagar a eles. E ainda reclamam que não conseguem entender porque tanta gente os odeia!

É bem claro neste caso que os sionistas vão extorquir o máximo de dinheiro possível da Suíça, e nem um shekel a menos. É são os shekels que contam para eles, não quantas pessoas mais passam a odiar o povo judeu como um todo em conseqüência deste comportamento. Infelizmente sempre tem sido assim com eles. Claro, também é difícil ter pena da Suíça, porque escolheu capitular à extorsão ao invés de lutar - exatamente o que os sionistas calcularam que ela iria fazer. Nesta era democrática aparentemente não existem mais políticos ou homens de negócios com princípios ou sequer com algum senso de honra.

Aí é que entra o uso sionista do “Holocausto”: primeiro, eles fazem montes de dinheiro em cima de montes de dinheiro com ele; segundo, protege-os de críticas e os permite sair com o comportamento mais ultrajante, comportamento este que não seria tolerado em relação a qualquer outro povo. Acabaram de conseguir US$ 250 milhões em dinheiro dos suíços: dinheiro de chantagem; dinheiro que os suíços lhes deram não porque havia uma prova de que esse dinheiro era deles, mas apenas para evitar um boicote. A meta sionista agora é conseguir mais US$ 7 bilhões da Suíça do mesmo modo. O governo suíço não teria cedido a ninguém mais. Se, por exemplo, os herdeiros dos aristocratas russos assassinados pelos açougueiros comunistas na década de 20 fizessem um pedido similar aos bancos suíços por contas perdidas, a Suíça teria lutado contra eles até o fim. Mas não lutaram contra os sionistas - até pediram desculpas por francamente dizer ao mundo o que é e o que eles pensam sobre a coisa toda - porque os sionistas iriam se envolver em “Holocausto” e então pareceria que os suíços estavam lutando contra os queridos, pobres, inocentes, sem defesa e perseguidos judeus.

Apenas um exemplo do valor em dinheiro do “Holocausto”. Outro exemplo são os US$ 4 bilhões do dinheiro dos pagadores de impostos americanos que vai a Israel todo o ano. E os cerca de 200 bilhões de dólares extorquidos do povo alemão durante 50 anos.

Quem mais exceto um sionista teria a cara-de-pau para isso? E de onde vem ela? Vem do conhecimento que ele pode sempre se retirar a seu status de “vítima” se enfrentar oposição. Sabe que pode invocar “Holocausto”, se envolver em “Holocausto”, e seus oponentes se retirarão embaraçados. No mínimo, os cantadores de hinos o farão. E qualquer crítico destas atitudes é imediatamente rotulado “nazista”, “fascista”, “anti-semita”, etc.








"Israel como um Estado judeu constitui um perigo não apenas a si mesma e a seus habitantes, mas a todos os judeus, e a todos os povos e Estados do Oriente Médio e além."

- Prof. Israel Shahak, judeu e fundador da Liga Israelense de Direitos Humanos


Palestine banner
Viva Palestina!

Latest Additions - em Português

A Entrevista do General Remer
Um dos mais famosos comandantes militares da II Guerra Mundial

Quem controla o Brasil - sionismo na presidência

A conspiração Sionista - para dividir os estados Árabes em pequenas unidades

Fotos   

Herman Rosenblat, um – verdadeiro – cara de pau!    


Iraq under Jewish occupation
Iraq - guerra e ocupação


Rabino defende genocídio do povo palestino

A vez do Irã

Um Complô contra a Radio Islam

Massacre em Gaza - A bestialidade judeo-israelita
Por Alfredo Braga

O que é o Revisionismo?
 

"Se eu fosse um líder árabe nunca assinaria um acordo com Israel. É normal; nós tomamos o país deles."

- David Ben-Gurion, Primeiro-Ministro de Israel


Citações - sionismo

Os Judeus Khazares
Por Dr. Alfred M. Lilienthal


Rabino defende Holocausto Iraniano
“devemos orar pela destruição do Irã”

O poder oculto - De onde nasce a impunidade de Israel
Por Manuel Freytas

Down with Zio-Apartheid
StopJewish Apartheid!

Sobre a influência sionista no Brasil: Judeus no Brasil

As vitórias do revisionismo
Por Professore Robert Faurisson

The Jewish hand behind Internet The Jews behind Google, Facebook, Wikipedia, Yahoo!, MySpace, eBay...

Islamofobia = Propaganda Sionista

Um olhar para o o poderoso Lobby judeo - Por Mark Weber

The Founding Myths of Modern Israel
Garaudy: "Os Mitos fundadores"


A Lavagem de Dinheiro das Drogas Pelos Judeus
Maior jornal Israelense Ma'ariv revela!

No assunto do rancor judaico à Cristandade - Por Israel Shahak

Racismo Judaico contra Não-Judeus conforme expresso no Talmud

Reel Bad Arabs - Revealing the racist Jewish Hollywood propaganda

Sobre "O Relatório Leuchter"

The Founding Myths of Modern Israel
Shahak: "Storia ebraica"

O Holocausto negro 
“O comércio de escravos estava nas mãos de judeus”

Protocolos dos Sábios de Sião

Videos - Importante coleção
 

Talmud unmasked
A Verdade Sobre o Talmud

O Talmud Desmascarado

Caricaturas

Ativismo! - Participa na luta!